Economia de Mercado

A Economia de Mercado possui princípios neoliberais e defende a livre concorrência entre mercados sem a interferência do Estado.

O sistema de Economia de Mercado é típico das economias capitalistas com princípios baseados em autores do Liberalismo como Adam Smith, John Maynard Keynes, David Ricardo entre outros que defenderam o livre mercado.

Esse sistema tem como característica básica, a propriedade privada dos meios de produção e sua operação tendo por objectivo a obtenção de lucro, sob condições em que predomine a livre concorrência.

Livre concorrência

Essa concorrência se dá de várias formas: entre os vendedores de bens similares, para atrair clientes; concorrência entre compradores, para garantir os bens que desejam; concorrência entre trabalhadores, para obter empregos; concorrência entre empregadores, para conseguir trabalhadores.

Em uma economia baseada na propriedade privada e na livre iniciativa, os agentes económicos (indivíduos e empresas) preocupam-se em resolver isoladamente seus próprios problemas tentando sobreviver na concorrência imposta pelos mercados.

Neste tipo de sistema económico, os consumidores e empresas, agindo individualmente, interagem através dos mercados acabam por determinar o que, como e para quem produzir.

Assim, a acção conjunta de indivíduos e empresas permite que milhares de mercadorias sejam produzidas de maneira espontânea, sem que haja uma coordenação geral das actividades económicas.

Na verdade, existe um mecanismo de preços automático e “inconsciente” – chamada de “mão invisível” que regula os mercados – que trabalha, garantindo o funcionamento do sistema económico, dando a ele uma certa ordenação, de maneira tal que tudo é realizado sem coação ou direcção central de qualquer organismo consciente.

Em um mercado livre, caracterizado pela presença de um grande número de compradores e vendedores, os preços reflectem as quantidades que os vendedores desejam oferecer e as quantidades que os compradores desejam comprar de cada bem.

Tanto os bens e serviços quanto os recursos produtivos têm seus preços e quantidades determinados pelo livre jogo da oferta e procura, ou seja, pela livre concorrência.

Oferta X Demanda

Do confronto entre oferta e procura (ou demanda) resulta um preço, e é esse preço que exerce uma função económica básica. É ele, que por suas variações, orienta a produção e o consumo.

O desejo das pessoas determinará a dimensão da procura, enquanto que a produção das empresas determinará a dimensão da oferta. O equilíbrio entre a oferta e a procura será atingido pela flutuação do preço.

Cabe dizer também que o que vale para os mercados de bens e serviços, também vale para o mercado de recursos produtivos (terra, trabalho, capital e capacidade empresarial).

Neste tipo de economia, complexa e interdependente, as pessoas não conseguem dizer directamente aos produtores o que desejam consumir.

O mecanismo de mercado fornece, através dos preços, uma forma de comunicação indirecta entre produtores e consumidores, possibilitando uma adaptação da produção às necessidades de consumo; possibilita, ao mesmo tempo, uma adaptação do consumo à escassez relativa dos diferentes tipos de bens e serviços.

O papel do Estado na economia de mercado

Em uma economia de mercado o Estado não deve intervir em nenhum aspecto da actividade produtiva, devendo ficar sua acção restrita ao atendimento das necessidades colectivas, tais como a Justiça, a Educação, etc.

Cabe ainda ao Estado o estabelecimento de regras visando proteger a liberdade económica, zelando, assim, pelo livre jogo da oferta e procura. (Todo Estudo)

você pode gostar também